domingo, 30 de maio de 2010

O mito da Caverna



O Mito da Caverna Platão

Imaginemos uma caverna subterrânea onde, desde a infância, geração após geração, seres humanos estão aprisionados. Suas pernas e seus pescoços estão algemados de tal modo que são forçados a permanecer sempre no mesmo lugar e a olhar apenas para a frente, não podendo girar a cabeça nem para trás nem para os lados. A entrada da caverna permite que alguma luz exterior ali penetre, de modo que se possa, na semi-obscuridade, enxergar o que se passa no interior.
A luz que ali entra provém de uma imensa e alta fogueira externa. Entre ela e os prisioneiros - no exterior, portanto - há um caminho ascendente ao longo do qual foi erguida uma mureta, como se fosse a parte fronteira de um palco de marionetes. Ao longo dessa mureta-palco, homens transportam estatuetas de todo tipo, com figuras de seres humanos, animais e todas as coisas.
Por causa da luz da fogueira e da posição ocupada por ela, os prisioneiros enxergam na parede do fundo da caverna as sombras das estatuetas transportadas, mas sem poderem ver as próprias estatuetas, nem os homens que as transportam.
Como jamais viram outra coisa, os prisioneiros imaginam que as sombras vistas são as próprias coisas. Ou seja, não podem saber que são sombras, nem podem saber que são imagens (estatuetas de coisas), nem que há outros seres humanos reais fora da caverna. Também não podem saber que enxergam porque há a fogueira e a luz no exterior e imaginam que toda a luminosidade possível é a que reina na caverna.
Que aconteceria, indaga Platão, se alguém libertasse os prisioneiros? Que faria um prisioneiro libertado? Em primeiro lugar, olharia toda a caverna, veria os outros seres humanos, a mureta, as estatuetas e a fogueira. Embora dolorido pelos anos de imobilidade, começaria a caminhar, dirigindo-se à entrada da caverna e, deparando com o caminho ascendente, nele adentraria.
Num primeiro momento, ficaria completamente cego, pois a fogueira na verdade é a luz do sol, e ele ficaria inteiramente ofuscado por ela. Depois, acostumando-se com a claridade, veria os homens que transportam as estatuetas e, prosseguindo no caminho, enxergaria as próprias coisas, descobrindo que, durante toda sua vida, não vira senão sombras de imagens (as sombras das estatuetas projetadas no fundo da caverna) e que somente agora está contemplando a própria realidade.
Libertado
e conhecedor do mundo, o priosioneiro regressaria à caverna, ficaria desnorteado pela escuridão, contaria aos outros o que viu e tentaria libertá-los.
Que lhe aconteceria nesse retorno? Os demais prisioneiros zombariam dele, não acreditariam em suas palavras e, se não conseguissem silenciá-lo com suas caçoadas, tentariam fazê-lo espancando-o e, se mesmo assim, ele teimasse em afirmar o que viu e os convidasse a sair da caverna, certamente acabariam por matá-lo.
Acho bastante interessante esta historia, pois apesar dela ser bem antiga ela expressa bastante algumas pessoas atualmente. 

5 COMENTÁRIOS:

Anônimo disse...

Para vc ver o conto e bem antigo mais retrata bem ate os dias de hoje

Diego disse...

Pois é, a moral da história é aquele famoso ditado: "O pior cego é aquele que não quer ver".

Alexandre Tomich disse...

Sabedoria não tem idade...o tempo não a envelhece nunca!

Waldemar disse...

É bem divertida a estória, mas é uma pena acontecer nos dias de hoje tambem... Pessoas q simplesmente continuam na escuridão, vendo apenas a sombra dos acontecimentos... simplesmente uma pena, espero que os cegos que conseguirem ler esta estória que reflitam sobre o seu conteúdo pois a 1ª vista parece ñ ter significado mas se lermos pela 2ª vez daremos conta que é o q tem acontecido nos dias de hoje... sinto muito...

Anônimo disse...

os iluminattis devem morrer toda sistema deles A terra sucunbira uma energia que eles mesmo nao conseguiram controlar.

Postar um comentário

Comenta, Não precisa concordar:

 
Bloggerized by Lasantha - Parceria Aluno Virtual
Real Time Web Analytics