terça-feira, 1 de junho de 2010

Dizemos mentiras porque…................

Psicólogo explica os efeitos do engano nas relações humanas em livro

Quando é que nos é permitido mentir? Segundo Kant, nunca. Na medicina, prescrever placebos e mentir tem sido um lugar comum para o bem-estar do paciente. Dizer a uma mulher que não está gorda quando pode ter ultrapassado o peso médio pode igualmente ser considerado o que os norte-americanos chamam de “white lie” (mentira amigável).

Robert Feldman é um psicólogo e docente da Universidade de Massachusetts que se tem dedicado ao estudo das mentiras e sobre o papel que desempenha nas relações pessoais e acredita que “a honestidade é a melhor política mas nem sempre a mais perfeita”.
O investigador do departamento de Ciências do Comportamento lançou recentemente o livro «O mentiroso na sua vida: O caminho para relações de confiança» (The Liar in Your Life: The Way to Truthful Relationships) que foca o engano no dia-a-dia das pessoas, centrando-se na cultura de uma sociedade da mentira.

A obra baseia-se na investigação que Feldman tem levado a cabo sobre traições, infidelidade e falta de confiança e, para isso, recrutou uma larga quantidade de participantes. Os voluntários ficaram admirados ao verificarem que mentiam mais do que imaginavam após verem vídeos das suas interacções.

Em entrevista à revista «Times», o psicólogo revelou que o mentiroso está quase sempre em vantagem. “Se tentarmos detectar sinais de honestidade, estamos atentos a todos os tipos de gestos e comportamentos não-verbais, mas o problema reside no facto não existir uma correlação directa entre esses comportamentos não-verbais e a honestidade. A rudeza pode estar associada à ira, distracção ou tristeza e mesmo interrogadores treinados nem sempre conseguem detectar níveis de decepção”, referiu.

Mentiroso está quase sempre em vantagem
Mentiroso está quase sempre em vantagem
Sociedade fácil de enganar


Feldman explica que vivemos numa sociedade onde é muito mais fácil enganar do que no passado. Durante a sua pesquisa percebeu que as pessoas raramente mostram ter remorsos quando são apanhadas a mentir e avança que “hoje, já não é visto como um comportamento repreensivo”.

Contudo, o investigador assegura que não é uma atitude “geneticamente programada”, ou seja, aprendemos a mentir. Apesar de considerar que todos nós o fazemos, ninguém deixa de se decepcionar a detectar uma falsa verdade em alguém, especialmente, se for uma pessoa da nossa inteira confiança. “O nosso maior mentiroso é a pessoa que vemos diariamente ao espelho e é com ele que temos de aprender a lidar”, escreveu. 

Fonte: Ciência Hoje 

Ultimamente o que mais me irrita é pessoas dizendo á eu não minto, eu não sou falsa, ou é das mais falsa ou das mais burra, hipocrisia to correndo.
 

2 COMENTÁRIOS:

D. disse...

Todo mundo mente. FATO.

Revelatti disse...

realmente

Postar um comentário

Comenta, Não precisa concordar:

 
Bloggerized by Lasantha - Parceria Aluno Virtual
Real Time Web Analytics